Era Vargas: tudo o que você precisa saber

A Era Vargas (1930-1945) refere-se ao período em que Getúlio Vargas governou o Brasil, inicialmente como chefe do “Governo Provisório” após a Revolução de 1930 e, posteriormente, como presidente. Durante seu governo, o país passou por profundas transformações políticas, econômicas e sociais.

Vargas implementou políticas de modernização industrial, promoveu uma série de reformas trabalhistas e consolidou o poder central, culminando na promulgação da Constituição de 1934 e no Estado Novo (1937-1945), um regime autoritário que durou até sua deposição.

Seu legado é marcado pela construção de um Estado mais interventor na economia e pela consolidação dos direitos trabalhistas.

Resumo de Como foi a Era Vargas

A Era Vargas foi um período da história brasileira que se estendeu de 1930 a 1945, durante o qual o país foi governado por Getúlio Vargas. Foi um período de grande instabilidade política e econômica, mas também de grandes avanços sociais e econômicos.

A Era Vargas começou com a Revolução de 1930, que depôs o presidente Washington Luís. Vargas assumiu a presidência e governou o país por um período de 15 anos, primeiro como presidente provisório e depois como presidente constitucional.

Durante a Era Vargas, o Brasil viveu uma grande industrialização e urbanização. O governo investiu em infraestrutura, educação e saúde, e criou uma série de programas sociais, como a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a criação da Petrobrás.

A Era Vargas também foi um período de grande repressão política. Vargas criou o Estado Novo, uma ditadura que durou de 1937 a 1945. Durante o Estado Novo, o governo fechou o Congresso, suspendeu as eleições e prendeu ou exilou opositores políticos.

A Era Vargas terminou em 1945, com a deposição de Vargas. No entanto, seu legado continua a ser importante na história brasileira. Vargas é considerado um dos maiores presidentes do Brasil, e suas políticas tiveram um impacto profundo na vida do país.

A Era Vargas é um período complexo e controverso da história brasileira. Foi um período de grandes avanços sociais e econômicos, mas também de grande repressão política. O legado da Era Vargas ainda é debatido hoje, mas não há dúvida de que foi um período importante na história do Brasil.

Quais foram as 3 Eras Vargas?

A trajetória política de Getúlio Vargas no Brasil é frequentemente dividida em três fases distintas, também conhecidas como “Eras Vargas”. São elas:

  1. Governo Provisório (1930-1934):
    • Após a Revolução de 1930, que depôs o presidente Washington Luís e marcou o fim da República Velha, Vargas assumiu o poder como líder do Governo Provisório.
    • Durante essa fase, Vargas iniciou um processo de centralização política e administrativa, rompendo com a política do “café com leite” e diminuindo o poder das oligarquias estaduais.
    • Foram implementadas reformas modernizadoras, especialmente na estrutura do Estado e na economia.
  2. Governo Constitucional (1934-1937):
    • Após a revolta comunista (Intentona Comunista) de 1935 e diante das pressões por uma nova Constituição, foi promulgada a Constituição de 1934.
    • Vargas foi eleito presidente pela Assembleia Constituinte e deu continuidade às reformas iniciadas durante o Governo Provisório.
    • Nesse período, houve intensa polarização política, com o crescimento tanto de movimentos de extrema esquerda quanto de extrema direita.
  3. Estado Novo (1937-1945):
    • Alegando ameaças comunistas, em 1937, Vargas orquestrou um golpe e instaurou o Estado Novo, uma ditadura autoritária que suspendeu direitos civis e dissolveu partidos políticos.
    • A Constituição de 1937, conhecida como “Polaca”, outorgada por Vargas, centralizou ainda mais o poder.
    • Durante o Estado Novo, houve forte censura, repressão política e consolidação das leis trabalhistas.
    • Apesar do autoritarismo, Vargas também promoveu a industrialização do Brasil e a implementação de políticas nacionalistas.
    • O regime chegou ao fim em 1945, pressionado pelo desgaste interno e pelas transformações no cenário mundial após a Segunda Guerra Mundial, com a crescente rejeição a governos autoritários.

Embora Vargas tenha deixado o poder em 1945, ele retornaria à presidência em 1951, agora por meio de eleições democráticas, e governaria até seu suicídio em 1954. Esse último período, contudo, não é comumente categorizado como uma das “Eras Vargas”, mas é fundamental para compreender seu legado na política brasileira.

O que mais marcou a Era Vargas?

A Era Vargas é uma das fases mais transformadoras e significativas da história política, social e econômica brasileira. Diversos elementos marcaram essa era, mas os mais proeminentes incluem:

  1. Centralização Política: Vargas buscou reduzir o poder das oligarquias estaduais e centralizar o poder nas mãos do governo federal. Ele diminuiu a influência da política do “café com leite” que alternava o poder entre São Paulo e Minas Gerais.
  2. Industrialização: Durante a Era Vargas, o Brasil experimentou um significativo processo de industrialização, com o Estado desempenhando um papel crucial como indutor do desenvolvimento. Foram criadas várias empresas estatais e implementadas políticas de substituição de importações.
  3. Legislação Trabalhista: A implementação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) em 1943 foi uma das principais marcas de seu governo. Vargas também é lembrado pela criação da Justiça do Trabalho e por políticas voltadas para o bem-estar dos trabalhadores, como o salário mínimo e a regulamentação da jornada de trabalho.
  4. Nacionalismo: Vargas promoveu uma agenda nacionalista, que culminou na campanha “O Petróleo é Nosso” e na criação da Petrobras em 1953, durante seu segundo governo. O nacionalismo também se manifestou na cultura e na educação, buscando criar uma identidade nacional coesa.
  5. Estado Novo (1937-1945): Este período autoritário se destacou pelo controle centralizado, censura à imprensa, repressão política e pela promulgação da Constituição de 1937, que dava amplos poderes ao Executivo.
  6. Populismo: Vargas tinha uma relação direta com as massas, utilizando-se do rádio e de outras formas de comunicação para construir sua imagem como “pai dos pobres”. Ele estabeleceu um vínculo emocional com a classe trabalhadora urbana, consolidando a figura do presidente como um mediador entre as elites e o povo.
  7. Relação com as Forças Armadas: Vargas soube manter uma relação próxima e por vezes tensa com os militares. As Forças Armadas tiveram um papel importante tanto em sua ascensão em 1930 quanto em sua deposição em 1945.

Essas características moldaram significativamente a política, a economia e a sociedade brasileiras, deixando um legado duradouro que influenciou o desenvolvimento do país nas décadas seguintes. A Era Vargas lançou as bases para o moderno Estado brasileiro e para a construção de uma nação mais industrializada e urbanizada.

Qual era o objetivo do governo de Vargas?

O governo de Getúlio Vargas, ao longo de suas distintas fases, teve múltiplos objetivos, refletindo a complexidade e adaptabilidade de sua liderança política em meio a uma era de rápidas transformações no Brasil. De forma geral, os principais objetivos do governo Vargas incluíam:

  1. Centralização do Poder Político: Vargas buscava diminuir o poder das oligarquias estaduais, que haviam dominado a política brasileira durante a República Velha, e centralizar a autoridade no governo federal.
  2. Modernização Econômica: O governo Vargas tinha como objetivo a modernização da economia brasileira. Isso envolveu um processo de industrialização, com o Estado desempenhando um papel central. A ideia era diminuir a dependência econômica em relação às exportações agrícolas e fortalecer o setor industrial do país.
  3. Bem-Estar Social: Vargas visava melhorar as condições dos trabalhadores urbanos. Isso se manifestou na criação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e em várias outras medidas de proteção aos trabalhadores, como a regulamentação da jornada de trabalho, o estabelecimento de um salário mínimo e o reconhecimento dos direitos sindicais.
  4. Construção de uma Identidade Nacional: O governo Vargas procurou fortalecer o sentimento de identidade nacional brasileira. Isso se refletiu em campanhas de propaganda, no incentivo às artes e na educação, buscando criar uma sensação de unidade e coesão nacional.
  5. Fortalecimento do Estado: Vargas buscou fortalecer as instituições estatais e sua capacidade de intervenção na economia e na sociedade. Isso foi evidente na criação de agências reguladoras, empresas estatais e na maior intervenção estatal em setores estratégicos da economia.
  6. Manutenção do Poder: Durante o Estado Novo, um dos objetivos primordiais de Vargas foi a manutenção de seu poder e controle político. Isso levou à implementação de medidas autoritárias, à censura da imprensa e à repressão de opositores.
  7. Defesa da Soberania Nacional: Em um contexto de crescentes tensões globais e com a aproximação da Segunda Guerra Mundial, Vargas também buscou afirmar a soberania nacional e posicionar estrategicamente o Brasil no cenário internacional.

A habilidade de Vargas em adaptar-se e redefinir seus objetivos, dependendo das circunstâncias políticas e econômicas, foi uma das razões de sua longevidade no poder. Embora tenha enfrentado críticas e oposição, muitas das reformas e políticas de Vargas continuam a influenciar a política e a sociedade brasileiras até os dias de hoje.

Conclusão

A Era Vargas representou um período de profunda transformação no Brasil, caracterizado pela centralização política, industrialização acelerada e consolidação dos direitos trabalhistas.

Sob a liderança de Getúlio Vargas, o país se afastou das práticas oligárquicas da República Velha, buscando modernizar a economia e estabelecer uma identidade nacional coesa.

Apesar de momentos autoritários, como o Estado Novo, o legado de Vargas persiste, evidenciando sua influência duradoura na construção do Estado brasileiro moderno e na relação entre governo, trabalhadores e indústria.

Leave a Comment